Direitos Humanos em foco no #SouManaus: ações que ampliam a conscientização

Direitos Humanos em foco no #SouManaus: ações que ampliam a conscientização

O maior festival de artes integradas do norte do país, o “#SouManaus Passo a Paço”, é conhecido por sua diversidade cultural, com uma programação que inclui música, dança, teatro, exposições de arte e uma variedade de atividades ao ar livre. No entanto, este ano, a organização do evento decidiu dar um passo além, reconhecendo a importância de usar sua plataforma para promover a conscientização sobre os direitos humanos.

Ações que ampliam a conscientização refletem o compromisso do festival em destacar questões relacionadas à conscientização da exploração sexual, trabalho infantil, igualdade, inclusão, diversidade e justiça social. O evento contou com atividades que visam educar, informar e inspirar o público a se engajar em ações positivas para promover os direitos humanos na nossa cidade.

Neila Sardinha, diretora do Departamento de Proteção Social Especial da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), explicou como é feito o trabalho no festival de combate à exploração sexual e o trabalho infantil. “Estamos sensibilizando as pessoas a não trazem crianças para trabalhar, e também orientando e encaminhando, caso necessário. Trabalhamos as três noites das 17h até meia-noite, e estamos encerramento a última noite com sucesso”, destacou.

A ação foi aprovada por Taise Brasil, que destacou os pontos positivos. “Essa ação é muito importante, principalmente porque a gente vê muitas crianças e muitas famílias, e isso faz com que todos nós tenhamos mais conhecimento e sabendo de alguma situação sabemos a quem procurar e pra onde ligar”, disse.

Durante o festival, o centro histórico de Manaus foi palco de performances artísticas, intervenções culturais e exposições que destacaram questões de direitos humanos, como igualdade de gênero, direitos indígenas, inclusão LGBTQIAPN+, e muito mais. Os visitantes puderam interagir com ativistas, artistas e organizações que trabalham incansavelmente para promover uma sociedade mais justa.

— — —

Texto – Messias Ramos / Semcom
Fotos –  Jovana Ferreira / Semcom