#SouManaus Passo a Paço tem espaços exclusivos para a valorização da economia criativa e do empreendedorismo

SouManaus Passo a Paço tem espaços exclusivos para a valorização da economia criativa

A valorização das iniciativas empreendedoras é um dos destaques do #SouManaus Passo a Paço 2022, que a prefeitura está realizando no centro histórico da cidade. Durante os quatro dias do maior festival de artes integradas da região Norte, os visitantes vão encontrar duas feiras alternativas: a de Artesanato, e a do Paço, em parceria com o Instituto Amazônia.

Em ambas, estão sendo oferecidos produtos criativos, também de gastronomia, com food-trucks, food-bikes e comida de rua, juntamente com apresentações artísticas e atividades culturais.

Na Feira de Artesanato, que funciona na rua Bernardo Ramos, há o destaque para a cultura indígena com barracas de artesanato e de grafismo corporal; espaço instagramável; rituais; desfile de moda infantil, de estilistas indígenas; além de shows de cantores.

A turista carioca Janise Marques, 62 anos, contou ter ficado encantada com os artigos indígenas. “É tudo muito bem feito, com material encontrado na natureza, nada aqui é sintético. Essa sustentabilidade é um ganho e um diferencial nesses produtos. Estou comprando algumas peças para presentear meus parentes no Rio de Janeiro”, apontou.

A Feira do Paço, coordenada pelo Instituto Amazônia, é realizada anualmente, já tendo sido premiada em editais da Fundação Municipal de Cultura e Turismo (Manauscult). Um dos objetivos é contribuir para a requalificação do centro histórico, a partir do fomento à economia, com a participação de 120 famílias residentes do entorno dessa região da cidade, além de convidados.

Verlene Mesquita, da equipe de produção da Feira do Paço, explicou que a preparação do evento incluiu a capacitação dos expositores.

“Nossa feira acontece há seis anos e, nesse período, o instituto promove cursos, e agora, durante o #SouManaus, essas pessoas estão expondo artesanato, produtos regionais e alimentação, seguindo os padrões exigidos pelos órgãos reguladores. Para nós, poder participar desse festival, é um grande privilégio, um presente. É a chance que temos de poder fomentar a economia para essas pessoas”, comentou.


Texto – Sandra Monteiro / Semcom
Fotos – Thelson Souza / Semcom
Disponíveis em – https://flic.kr/s/aHBqjA5Kgf